CAYMMI: MAR, BAHIA E POESIA

Nana, Dori e Danilo Caymmi – O que é que a baiana tem

CAYMMI: MAR, BAHIA E POESIA

Infância e Juventude em Salvador

Dorival Caymmi nasceu em Salvador, Bahia, no dia 30/04/1914. Era filho do funcionário público, Durval Henrique Caymmi, descendente de italianos e de Aurelina Soares Caymmi, descendente de portugueses e africanos. Seu pai tocava piano, violão e bandolim. Desde menino, então, teve influências musicais e cantava no coro da igreja. No entanto, ele interrompeu os estudos formais no primeiro ano ginasial. Mas, procurou aprender um pouco de inglês, aprendeu datilografia e escrituração mercantil. Foi então trabalhar como auxiliar de escritório e logo depois na revisão do Jornal O Imparcial. Nessa época aprendeu também a tocar violão sozinho; desenvolveu um estilo pessoal com uma técnica própria, procurando sempre se inspirar na natureza, observando os costumes e a cultura do seu povo.

SEU DESPERTAR MUSICAL

Seu pai como músico amador, sempre incentivou o filho. Caymmi sempre correspondia a esses estímulos, ouvia os parentes que tocavam piano e desde criança, buscava sempre aprender, observando as pessoas tocarem seus instrumentos e tentando se aprimorar em seus conhecimentos. Ouvia sempre o fonógrafo e também a vitrola e à medida que aprendia crescia sua vontade de compor. Como também cantava no coro da Igreja como baixo, crescia sua experiência no meio musical. Começou a compor se inspirando nos hábitos, costumes e as tradições do povo baiano. Teve forte influência da música negra; desenvolveu um estilo pessoal em suas composições, demonstrando consequentemente, espontaneidade nos versos, sensualidade e riqueza melódica; tornou-se ao longo dos anos então, um poeta popular com sua criatividade e amor pela sua Bahia.

SEUS PRIMEIROS TRABALHOS

Logo depois do trabalho no Jornal, buscando sempre uma melhor oportunidade de emprego, tornou-se vendedor de bebidas. Continuava sempre buscando; com suas inspirações aos vinte anos estreou como cantor e violonista em programas da Rádio Clube da Bahia. Já em 1935, passou a apresentar o musical ‘Caymmi e Suas Canções Praieiras‘. Logo depois com 22 anos, venceu, como compositor, o concurso de músicas de carnaval com o samba ‘A Bahia também dá‘. Dorival e sua esposa frequentavam o terreiro de Mãe Menininha; ele compôs a canção: ‘Oração de Mãe Menininha‘ em sua homenagem. Gal Costa e Maria Bethânia a gravaram. Não há porém evidências de que ele tivesse participado dos rituais de iniciação e fosse “filho de santo”. Neste ínterim teve incentivo de muitos amigos de seguir uma carreira no sul do país. O Rio de Janeiro se apresentava um local de grandes oportunidades para as artes.

CAYMMI: MAR, BAHIA E POESIA

Suas primeiras composições

Em abril de 1938, aos 23 anos, Dorival Caymmi, vem para o Rio; continuava a compor e a cantar, buscando sempre uma oportunidade, para apresentar suas composições e mostrar o seu trabalho. Eis que algum tempo depois, apresentado por alguns amigos, surge a oportunidade. Se apresenta na Radio Tupi. As canções de Caymmi evocam principalmente a tragédia de negros e pescadores da Bahia como: ‘O Mar’, ‘História de Pescadores‘, ‘É Doce Morrer no Mar‘, ‘A Jangada Voltou Só‘, ‘Canoeiro‘, ‘Pescaria‘. Mais tarde, compôs a canção ‘Suíte do Pescador‘ e ‘Capitães de Areia‘: canções de muito sucesso na União Soviética. Nossas novelas e filmes fazem enorme sucesso naquele país. Compôs também obras como ‘Saudade da Bahia‘, ‘Samba da minha Terra‘, ‘Doralice‘, ‘Marina‘, ‘Modinha para Gabriela‘, ‘Maracangalha‘, ‘Saudade de Itapuã‘, ‘O Dengo que a Nega Tem’, ‘A Lenda do Abaeté‘ e ‘Rosa Morena‘.

SEUS PRIMEIROS SUCESSOS

Dorival Caymmi se apresentou na Rádio Nacional e cantou ‘Noite de Temporal’ enriquecendo sua apresentação com toque de berimbau. Ao mesmo tempo, Caymmi frequentava a roda dos músicos e de artistas plásticos. Fazia sucesso com as suas composições: Depois gravou pela Odeon o samba ‘O que é que a baiana tem?’ ao lado de Carmem Miranda. Gravou depois ‘O Mare ‘Samba da Minha Terra esta, uma das mais populares gravações de Caymmi; esta canção depois de 20 anos foi revivida quando gravada pelo autor e pelo papa da bossa nova, João Gilberto. Com a canção ‘Marina Caymmi estreia no gênero samba-canção, tendo sido gravada por Dick Farney. ‘Maracangalha‘  em 1956 tornou-se um dos sambas mais populares de Caymmi.

CAYMMI: MAR, BAHIA E POESIA

Carmem Miranda

Carmen Miranda estrelou no filme ‘Banana da Terra‘ e esta canção a inspirou na carreira que desenvolvia nos Estados Unidos. Para o carnaval de 1939, o produtor de cinema Wallace Downey preparava uma nova produção com Carmen Miranda. O título do filme seria ‘Banana da Terra’, assim, a música ‘O Que é Que a Baiana Tem?’ entrou para o filme, na voz de Carmem Miranda, fazendo grande sucesso, a ponto de popularizar a palavra “balangandãs”. Porém esta personagem com esta fantasia que Carmem Miranda se apresentou no filme e a fez levar para os palcos de Holliwood, causou muitas polêmicas; sambava e cantava usando saias rodadas como as baianas, arranjos de bananas na cabeça; esta performance não agradou os brasileiros, o que gerou muitas críticas. (Leia post sobre Carmen Miranda neste Blog: https://conclavedesol.mastermusica.com.br/carmen-miranda-a-pequena-notavel/).

CASAMENTO E FILHOS

Em 1939 Dorival Caymmi estava no auditório da Rádio Nacional para assistir um programa de calouros quando conheceu Stella Maris, mineira que era a vencedora da prova. O nome verdadeiro dela era Adelaide Tostes. Se apaixonaram e casaram no dia 30 de abril de 1940; tiveram três filhos: Nana, Dori e Danilo, que também seguiram a carreira musical: Danilo se tornou cantor, compositor e arranjador, Dori se tornou violonista e compositor e Nana se tornou cantora. As netas Juliana e Alice também são cantoras. Stella Maris foi sempre uma grande companheira e a musa inspiradora de Caymmi durante muitos anos e muitas de suas canções foram influenciadas ou dedicadas a ela.

HOMENAGENS A DORIVAL CAYMMI

A Escola de Samba Estação Primeira de Mangueira em 1986 apresentou o enredo ‘Caymmi mostra ao Mundo o que a Bahia e a Mangueira Tem‘. Conquistou o principal título do Carnaval Carioca. Em 2014 foi homenageado pela Escola de Samba Águia de Ouro, que apresentou o enredo: ‘A Velha Bahia apresenta o Centenário do Poeta e Cancioneiro Dorival Caymmi‘ homenageando Dorival Caymmi. Ele foi condecorado com a Ordem do Mérito do Estado da Bahia em 1972.

CARACTERÍSTICAS DE SUA OBRA E SUCESSO

Na sua obra, a Bahia surge como um local exótico com um discurso típico que se estabelecera nas primeiras décadas do sécolo XX; este modo de ver a Bahia fazia referências à cultura africana, à comida, às danças, à roupa, e, principalmente à religião. O primeiro grande sucesso ‘O que é que a baiana tem?‘ cantada por Carmen Miranda em 1939 não só marca o começo da carreira internacional da Pequena Notável que se vestiu de baiana se inspirando na música de Caymmi, mas influenciou também a música popular dentro do Brasil, tornando-se conhecida a ponto de ser imitada. Apesar de outras produções falarem da Bahia, as composições de Caymmi são as mais lembradas sobre a cultura baiana.

ÚLTIMOS ANOS E PARTIDA

Dorival Caymmi com idade avançada já se apresentava com problemas cardíacos e aparecia esporadicamente em shows ao lado dos filhos Dori, Nana e Danilo. Completava então, 60 anos de carreira; gravara cerca de 20 discos, e tinha versões de suas músicas feitas por outros intérpretes. Dessa forma sua obra, era composta de um grande número de obras-primas. Com a saúde precária não resistiu mais e faleceu em 16/01/2008, aos 94 anos. Atestou-se insuficiência renal e falência multipla dos órgãos, em consequência de um câncer renal. No Rio e na Bahia houve luto oficial de três dias. Houve muita comoção entre seus fãs. Afinal, suas canções praieiras são patrimônio da nossa cultura nacional. Dorival Caymmi brilhou e inovou como compositor, músico e cantor. Sua música é uma completa tradução da Bahia.

Sua obra Dorival Caymmi, permanecerá sempre viva na memória dos brasileiros, iluminando a todos com a graça e a alegria de suas músicas!

Suíte dos Pescadores – Dorival Caymmi – Interpretação de Alberto Nogueira

FONTE:

Se você gostou deste Post, role a tela até final e deixe um comentário, opinião ou crítica.

Não deixe de ver nossa próxima postagem: Jacob do Bandolin

2 thoughts on “CAYMMI: MAR, BAHIA E POESIA

  1. Ivete,
    Caymmi teve muita importância na nossa música, ressaltou as belezas da Bahia que ele amava tanto. Falou dos costumes, das crenças africanas que os negros trouxeram, das roupas e da comida. Ele amava o mar, os barcos de pesca, os pescadores, a jangada…enfim nenhum compositor antes deu esta ênfase à sua terra.
    Obrigada pelo apoio.
    Nilce

  2. Segundo os críticos Caymmy, responsável pela modernização da música popular brasileira, compositor de canções perfeitas .
    Ivete Oliveira
    Aracaju – Sergipe

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.